Divulgada a programação do “Pé no Caminho, Comida no Papinho” em Santo Antônio do Itambé

De 8 a 17 de janeiro de 2016, Santo Antônio do Itambé oferece programação de caminhadas para apreciar sua intensa riqueza natural. Vale a pena experimentar, também, a Gastronomia local. Pé no Caminho e Comida no Papinho!

Cultura, gastronomia e exuberantes paisagens: uma mistura deliciosa

Que tal conhecer a cachoeira da Água Santa? O prêmio para quem curtir o passeio é um Suan com ora pro nobis, angu e arroz mulatinho. A volta da cachoeira do Lajedão faz até rima: Rabada com batata e pirão. Depois de curtir a Cachoeira da Fumaça, passando pela Mata do Padre, o Festival oferece um clássico, que não pode faltar em Minas: Frango com Quiabo!

Estas são apenas algumas das delícias gastronômicas do 3º encontro de natureza e gastronomia de Santo Antônio do Itambé, município a 350 km de Belo Horizonte, que convida à boa comida, passeios pela natureza, banhos de cachoeira e, quem sabe, encarar os quase 20km de caminhada para vencer o Pico do Itambé ou a Pedra Afiada – significado do termo em Tupi-guarani –  ou mesmo o Teto do Sertão Mineiro, por ser o ponto mais alto da Serra do Espinhaço.

Sob a égide do Pico do Itambé, descansam singelas as cidades que o reverenciam. Aos seus pés, Santo Antônio do Itambé oferece caminho às exuberantes paisagens do Espinhaço, vencidos os quase 1400 metros que separam a cidade do cume do Pico, com altitude de 2.052 metros.

A pequena Santo Antônio, com pouco mais de 4 mil habitantes, tem encantos e delícias que convidam a inesquecíveis descobertas. Aqui o tempo passa sem pressa. Os dias têm ritmo de café com quitanda. As noites são embaladas por orquestras de insetos e anfíbios e enfeitadas por um sem fim de estrelas. Entre paisagens rurais e exuberante beleza natural, a rica cultura destas paragens passeia sem pedir licença, filha que é destas terras.

Cachoeiras

Terras que abrigam entre serras, cachoeiras e rica memória, histórias muitas, contadas pelos mais antigos amantes de suas delícias. Montanhas que se douram pelo sol fabricam paisagens que enchem o olhar dos que passam a observá-las. Um sem fim de rios, riachos e quedas d’água umedece o castigo do astro de fogo. São cerca de 20 cachoeiras preservadas e de fácil acesso. A cachoeira da Fumaça está entre as mais procuradas. Com uma queda de 25 metros no poço principal, a Fumaça não tem este nome atoa. Para aproveitar a ducha, é preciso vencer cerca de 20 metros a nado, na ampla piscina que a rodeia. A caminhada pode ser de 3 km a partir da sede, ou de 450 metros de trilha a partir da propriedade do Sr. Adair, no Recanto do Sossego. O ideal é ir para a cachoeira e encomendar ao Sr. Adair o frango caipira para a volta. Vale a pena.

Parque do Pico do Itambé

O Pico do Itambé é o principal atrativo do Parque que leva seu nome. Três roteiros permitem conhecer o parque. No “Conhecendo as Cachoeiras”, trilhas levam a quatro quedas: Neném, Rio Vermelho, da Fumaça (partes alta e baixa) e da Água Santa. Os níveis de dificuldade variam de fácil a médio – a mais distante é a Rio Vermelho, a 2,8 km da estrada principal. Também conhecida como Várzea da Cobra, a Trilha dos Tropeiros faz parte do roteiro Tropeiros na Estrada. São 12 km de um trajeto histórico, antigamente usado por comerciantes e moradores da região para se deslocar entre Santo Antônio do Itambé e Capivari. Longo, mas não muito pesado, não exige a presença de guias, mas eles são recomendados. O roteiro da Formação de Montanhas e Vales, que inclui o trekking até o Pico do Itambé, exige melhor preparo físico. Guias não são obrigatórios, mas podem ser contratados na sede do parque. Para visitar o Pico do Itambé ou a Trilha dos Tropeiros é necessário pedir autorização com 24 horas de antecedência.

Maiores informações:

Maíra Buarque
(31) 9689-4954
(38) 9930-5792
(38) 8829-3394